PROJETO ATIVOS E VULNERABILIDADES AMBIENTAIS

NÚCLEO RECURSOS HÍDRICOS – GESTÃOE OTIMIZAÇÃO DO USO E DA QUALIDADE DA ÁGUA



A água é uma testemunha pontual dos impactos das ações que os empreendimentos podem provocar em seus parâmetros de qualidade e quantidade, sendo adotada pela Organização das Nações Unidas em seus Objetivos de Desenvolvimento Sustentável - ODS, inseridos na Agenda 2030, sendo transversal a problemática de pelo menos 15 ODS, o que revela que a preocupação não se restringe aos olhares locais e sim em âmbito internacional, nesse aspecto ela se torna um relevante indicador no monitoramento de qualidade e quantidade hídrica. O fator motivador para a implantação da proposta de pesquisa “Panorama da qualidade dos recursos hídricos nas Propriedades Rurais de Cacoal, Espigão d’Oeste e Pimenta Bueno - Rondônia, voltadas a bioeconomia rondoniense”, almeja diagnosticar, analisar e construir diretrizes para a sustentabilidade hídrica em empreendimentos voltados a produção de alimentos, empreendimentos estes previamente selecionados por pesquisadores integradores do Fórum do Futuro, que é o preponente agregador de vários projetos com viés de sustentabilidade e visibilidade da bioeconomia amazônica. Ao propor o monitoramento, nasce o compromisso dos pesquisadores envolvidos em construir diretrizes para uma gestão dos recursos hídricos como preconiza a Lei nº 9.433/1997 e Lei Complementar do Estado de Rondônia 255/2002 (que regem sobre os usos múltiplos das águas do estado),a nível de cada empreendimento para que cenários desejados possam ser alcançados, unindo a produção de alimentos e a ciência em busca de caminhos inovadores e promissores para a bioeconomia de selo verde no estado de Rondônia. O envolvimento de pesquisadores regionais é o diferencial do convite do Fórum da Futuro, que busca potencializar a pesquisa voltada a produção de alimento sustentável, com a transparência da relevância da ciência produzida na Amazônia Legal, que necessita de investimentos para que os diálogos possam ser ampliados e potencializados, somente assim, a ONU alcançará até 2030 os objetivos desejados para a sustentabilidade regional.